O título de Kyle Lowry

Quando a potencial bola do título saiu das mãos de Kyle Lowry no jogo 5, a NBA esteve prestes a testemunhar um momento simbólico. O homem que fomentou mais do que ninguém a criação de uma cultura vencedora na franquia também seria o protagonista do último ato. Mas havia um Draymond Green no meio do caminho. Com a energia e um tempo de recuperação que só um dos melhores defensores da história da NBA poderia ter, Green bloqueou o arremesso.

Mas não vamos nos prender aos simbolismos. Kyle Lowry é o começo, meio e fim do título do Toronto Raptors. Um começo de muitas incertezas, inclusive a de que Lowry poderia se consolidar na liga. Um meio em que o Raptors deu o passo seguinte, mas ainda carecia do DNA vencedor. E um final onde todo o trabalho duro e a lealdade de sete anos foram recompensados.

Em Toronto, todos já sabiam que Kyle Lowry é um campeão nato. Ele não precisava provar algo a alguém. Ainda que isso não seja exatamente uma dificuldade. Afinal, Lowry cresceu tendo que provar que aquele indivíduo bem distante de um protótipo de jogador de NBA poderia ser um vencedor.

Talvez seja esse o grande encanto de Lowry: ele é humano. Errou e acertou com muita frequência nesses sete anos. Foi o rosto do Raptors nos momentos de euforia e frustração. Um torcedor de sofá, como nós, meros mortais, se reconhece em Kyle Lowry.

Kyle Lowry tinha um plano

Mas por dois minutos do jogo 6, Kyle Lowry foi sobrehumano. Os dois primeiros do jogo. Foram ONZE pontos só dele neste período. E ninguém pontuou mais do que Kyle Lowry na decisão: 26 no total.

Não menos importante, o Raptors teve uma vantagem de 16 (!) pontos nos 42 minutos em que Lowry esteve em quadra. Mas ele é humano, afinal. E no breve espaço de tempo em que um humano precisa descansar, o Toronto quase entrou em colapso.

Lowry puniu o Warriors de várias maneiras. Puniu nas trocas, quando ficava diante de um dos bigs do time de Oakland e pontuava freneticamente; puniu com a sua concentração, energia na defesa e a capacidade de antevisão para frustrar um dos melhores times da história; puniu com a forma com que puxou todo o resto de sua equipe pra cima.

 

Kyle Lowry é um líder. Coloca o coração em quadra. Coloca o seu caráter também, como quando condenou a constrangedora vibração dos canadenses com a lesão de Kevin Durant no jogo 5.

Kawhi Leonard foi o MVP das Finais, o protagonista de um capítulo crucial. Mas esse livro não seria escrito sem Lowry. Ele comeu o pão que o diabo amassou. O Norte se lembra, e por isso o trono também pertence a ele. Started from the bottom now we’re here, diria um cantor bem familiar.

O campeão inédito da NBA é feito de grandes histórias. Mas talvez nenhuma delas seja tão marcante quanto a de Kyle Lowry. Toronto Raptors e Kyle Lowry foram feitos um para o outro. E essa história de amor e fidelidade não merecia nada além de um final feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *